Filmes de 2015

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Resenha A Colina Escarlate


Resenha e Análise Crítica de A Colina Escarlate
(Crimson Peak), de Guillermo Del Toro

SEM SPOILERS!!!!!!

Ano de lançamento: 15/10/2015 (Brasil) - 16/10/2015 ( Eua)
Direção: Guillermo Del Toro
Roteiro: Guillermo Del Toro, Matthew Robbins e Lucinda Coxon
Duração: 1h59m
Trilha Sonora: Fernando Veláquez
Orçamento: US$55milhões


Sinopse oficial:

Quando seu coração é roubado por um estranho sedutor, uma jovem mulher é levada para uma casa no topo de uma colina de barro vermelho sangue: um lugar repleto de segredos que irão assombrá-la para sempre. Entre o desejo e a escuridão, o mistério e a loucura, está a verdade por trás da Colina Escarlate. Inicialmente, a trama é bem simples, basicamente uma história de casa mal assombrada, onde a jovem escritora Edith Cushing (Mia Wasikowska), apaixonada pelo misterioso Thomas Sharpe (Tom Hiddleston), muda-se depois de casada. Uma gélida mansão sombria, rodeada por um entranho barro cor de sangue. Lá mora também a irmã de Thomas, Lucille Sharpe (Jessica Chastain), uma mulher de personalidade fria que parece se encaixar no local onde vive. A partir daí, Edith é atormentada por assombrações, vai fisicamente definhando e aos poucos descobrindo os segredos tenebrosos por trás do lugar. Porém o grande foco aqui é abordar até onde o humano pode chegar em nome do amor. O fato desse sentimento nos transformar em monstros.



Mia Wassikowska, Jessica Chastain e Tom Hiddleston
Crimson Peak, ou A Colina Escarlate, título em português, é um empreendimento realizado pelo, extraordinário e criativo, diretor, produtor e roteirista, mexicano, Guillermo Del Toro em parceria com o roteirista, Matthew Robbins ( seu colaborador em Mutação). É uma produção com pretensões claras, no mínimo, intrigante e espetacular, considerando que a realização deste projeto, foi concretizado, exclusivamente, pela fantástica imaginação do cineasta, que já criou vários monstros e robôs gigantes. Singularmente, o gênero deste longa, engloba, cinco categorias distintas, desenvolvidas com mestria, que, ao longo dos eventos, vão se contrapondo entre si de maneira orquestrada, bem com, referenciando clássicos europeus da nona arte. Fica bem difícil desenvolver uma resenha sem spoilers, porém, pode-se dizer que tudo em A Colina Escarlate se mostra bastante convincente, desde a caracterização do espaço, dos personagens, que são bastante articulados e desenvolvidos, ao desenrolar dos acontecimentos, que, são concêntricos e diretos.
Há quem diga que, Wasikowska ( Edith), não esteve em sua melhor atuação, permanecendo, com a velha cara de Alice em busca do coelho apressado e seu inseparável relógio de bolso. Honestamente, este pormenor, rendeu à sua interpretação uma singular pureza que antagonizou com o universo sombrio, assim como, foi contraposto pela bela atuação de Tom Hiddleston ( Thomas), que surpreendeu como aspirante à galã aristocrata falido, o qual dividiu cenas impactantes com Jessica Chastain (Lady Lucille), sua irmã na história.
Não posso deixar de dizer que a concretização e o desempenho do figurino foi excelente, tecnicamente, é impossível, não perceber a sutileza com que Del Toro sincronizou, espaço, cores e harmonização, vistos, principalmente, em produções technicolor, de Mario Bava, os detalhes fizeram toda a diferença, assim como a excelente fotografia de, Dan Lausten, e a composição musical do espanhol, Fernando Velásquez, ( Mama, Hércules, O Orfanato), fica evidente o designer tão cuidadoso quanto o desenvolvido para O Labirinto do Fauno ( 2006), fica quase impossível acreditar que este empreendimento de del Toro, custou um terço de seu projeto anterior, Círculo de Fogo ( 2013). A Colina Escarlate pode ser considerada uma iguaria para os fãs do cineasta, que acabam se empregnando em cada som, borboletas, caveiras e fantasmas que se arrastam nas sombras, literalmente.
O fato é categórico, o mundo precisa de del Toro, precisa de gente como ele, obstinado, visionário e detalhista, que se importa em realizar empreendimentos audaciosos com paciência e dedicação.
Acredito que não há mais como falar sobre o filme sem dar uns spoilers imperdoáveis, visto que, pelo recente lançamento, muitas pessoas ainda irão aos cinemas degustar A Colina Escarlate. Hasta luego!!!!

By Stela Bagwell